Poesia

“A Cidade e as Serras”

Se subir ao campo
Vejo a cidade
E observo
As fábricas e o fumo
As antenas e o sono
A velocidade dos carros
E o barulho dos semáforos.

Se subir à cidade
Vejo o campo
E observo
As serras pelo cume,
As gentes e o riso,
A velocidade das carroças
E o barulho do vento.

Os aviões voam.
Parecem máquinas enfurecidas
Ou rastos de nuvem no céu,
Como um tiro de bisga
A velejar alto demais.

Aqui há moinhos,
E eu D. Quixote.

Anúncios
Standard
Poesia

Ode às Palavras

Palavras,
Quimeras de fogo,
Ardentes, demasiado tentadoras,
Dementes, quiçá, que invejam sentimentos
E fazem das suas presas devoradoras de momentos,
Socorro,
Elas fazem-me escrever, saem da minha mente
De forma pouco eloquente e desumana
Elevando os limites do crente à falta de querer viver,
De urbana e fácil compreensão,
Lentamente ofuscando o ser, entre mil maneiras
De pedir perdão. Continuar a ler

Standard